Golpes pix : como funciona e como se proteger

O Pix é um serviço de transferência bancária digital instantânea e gratuita que facilita a vida de muitas pessoas. Com sua rápida popularidade entre os brasileiros, as tentativas de golpes usando o serviço também estão em ascensão. Conheça os principais golpes e saiba como se proteger. C

Pix foi criado pelo Banco Central há pouco mais de 6 meses

E é uma das formas mais utilizadas pelos brasileiros para fazer transferências e pagamentos bancários. Segundo o BC, até março, o sistema contava com mais de 206 milhões de chaves de registro e mais de 1,5 bilhão de transações.

Com o Pix, você pode fazer transferências e pagamentos instantaneamente, gratuitamente, em qualquer dia e a qualquer hora. Isso o torna muito popular, pois os concorrentes do TED e DOC não são gratuitos, funcionam apenas em dias úteis e podem levar mais de um dia para chegar aos destinatários.

A principal atração do Pix é também o que mais chama a atenção dos criminosos: sua capacidade de fazer transações gratuitas e instantâneas a qualquer dia e a qualquer hora. Como resultado, os usuários do serviço têm menos tempo para perceber que estão sendo enganados e podem não ter tempo para desfazer a ação.



A seguir, explore os principais golpes usando o Pix e saiba como se proteger.


1 – Clones do WhatsApp
Os clones do WhatsApp já existiam antes mesmo do Pix ser lançado, mas com o advento da tecnologia, o golpe melhorou. O golpista entra em contato com a vítima fingindo ser um empresário e pede que o usuário insira o código que o criminoso envia para confirmar, atualizar ou validar a assinatura.

O problema é que este código permite clonar o WhatsApp e sequestrar perfis. Se o usuário não habilitar a autenticação em duas etapas, o golpista poderá configurar a conta em outro dispositivo. A partir daí, o criminoso ativa os contatos da vítima e pede ajuda financeira, principalmente uma transferência Pix. É praticamente impossível recuperar o valor transferido, pois a transação foi feita de forma espontânea, mesmo que tenha sido motivada por uma fraude.

Como evitar este tipo de fraude?
Habilite a autenticação em duas etapas na sua conta do WhatsApp:

1. Abra o WhatsApp;
2. Clique no menu de três pontos e navegue até “Configurações”;
3. Em “Conta”, selecione “Verificação/confirmação em duas etapas”;
. Clique em “Ativar” e escolha uma senha de seis dígitos para a conta do WhatsApp;
5. Confirme seu PIN (redigite seu código pessoal);
6. Registre-se com um endereço de e-mail válido caso esqueça seu código;
7. Clique em “Avançar” e confirme seu endereço de e-mail, depois em “Salvar”.

2 – Serviço bancário
fraudulento Aqui os golpistas se aproveitam de não conhecer os tipos de chaves Pix que um usuário pode solicitar. O criminoso finge ser um funcionário do banco e engana a vítima para criar uma chave Pix.

Para que a gravação seja efetiva, devem ser realizados testes. É quando o cliente cai no golpe e acaba repassando o valor para o golpista. Da mesma forma, como no golpe anterior, é altamente improvável que a vítima receba o dinheiro transferido de volta, uma vez que a transação foi feita por vontade própria, mesmo que tenha sido causada por um criminoso.

Como evitar cair neste golpe?
Nunca forneça seus dados de contato e nunca faça transações bancárias durante uma chamada. A Federação dos Bancos do Brasil (Febraban) alerta que funcionários de instituições bancárias nunca pedem confirmação ou cadastro de dados pessoais durante ligações telefônicas. Ele até esclareceu que os bancos não exigem que os clientes verifiquem com as chaves Pix registradas.
Em caso de suspeita de fraude, sem seus dados e sem fazer nenhuma transferência, desligue o telefone e entre em contato com os canais oficiais do seu banco.

Pix Bug
Esse golpe começou espalhando fake news, também conhecidas como fake news, nas redes sociais alegando que o Pix possui uma falha que permite que as pessoas reivindiquem prêmios em dinheiro quando passam valores para determinadas chaves.

O resto já sabe: o cliente transfere o valor para a hipotética chave vencedora e o dinheiro vai diretamente para a conta do golpista. Na hora, sem problemas. Como explicamos anteriormente, quando você faz uma transferência via Pix, é difícil para você cancelar a operação, mesmo que seja uma situação fraudulenta que a vítima tenha feito voluntariamente.

Como evitar cair neste golpe?
Qualquer anúncio ou mensagem que fale sobre “ganhar dinheiro fácil” deve ser um sinal de alerta. O Sistema Pix, criado pelo Banco Central, é seguro, robusto e livre de erros. Segundo a organização, o Pix possui os mesmos protocolos de segurança do TED e DOC, além de camadas de segurança fornecidas pelos bancos parceiros, como biometria e reconhecimento facial. Veja mais dicas de segurança Pix.

– QR Code falso
Uma das formas de pagamento da Pix é através de QR Codes. Agora é comum ver QR Codes para transferências presenciais e apresentações online que arrecadam fundos para artistas ou organizações.

Os golpistas baixam esses vídeos e criam uma nova transmissão com um código QR falso, transmitem o vídeo e o dinheiro vai direto para a conta do criminoso.

Como evitar cair neste golpe?
Ao realizar doações, transferências e pagamentos com Pix, via QR Code, anote a fonte do código e caso tenha dúvidas sobre o valor ou mesmo a origem do pedido, não conclua a operação.

Dicas para evitar golpes Pix
• Antes de transferir ou pagar, verifique a identidade da pessoa que solicita o Pix. Se você duvidar da mensagem, não conclua a operação. Especialmente no caso de amigos que dizem estar em dificuldades financeiras;

• Os aplicativos estão cada vez mais fáceis de usar e os usuários estão cada vez menos atentos, por isso tome muito cuidado antes de clicar para validar uma ação e verificar todos os dados;

• Ainda não está acostumado a trabalhar com Pix? O truque aqui é experimentar com seus amigos e familiares que usaram a tecnologia para treinar os passos. Neste caso, deverá solicitar o reembolso, pois o processo não envolve quaisquer custos para os remetentes e destinatários.



Posts Recentes